Concurso do INSS não tinha provas suficientes em GO, dizem candidatos

0
275

No material dos candidatos, o endereço era Rua 1A, mas a escola onde as provas foram realizadas fica na Rua 14 (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)A realização de uma prova do concurso do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) terminou em confusão no domingo (13), em Anápolis, a 55 km de Goiânia. Por conta de problemas na impressão de alguns cadernos, faltaram provas e alguns candidatos não puderam fazer o exame. Um deles disse que um fiscal recebeu a prova correta que estava faltando por email.
Em Anápolis, o concurso, organizado pela Fundação de Apoio a Pesquisa, Ensino e Assistência (Funrio), foi realizado na Escola Polivalente Frei João Batista. Revoltados, cerca de 30 candidatos chamaram a Polícia Militar,que registrou uma ocorrência para averiguar os fatos.
Candidato a uma vaga na área de informática, Lucieliton Cavalcante disse que as provas que chegaram no envelope eram para o cargo em Telecomunicações.

Além do erro, ele diz que ficou ainda mais indignado com a forma como a organização tentou corrigir o problema. "Depois de uma hora vendo o que poderia ser feito, não encontraram as provas e, aparentemente, as receberam por email. Um senhor levou um pendrive para ver se a gente ia aguardar a impressão da prova. A isonomia do concurso está totalmente ferida. Ninguém aceitou e saímos todos da sala", reclamou.
Outro problema da organização, segundo os candidatos, foi um erro no endereço do local da prova. A escola onde o exame foi realizado fica na Rua 14, no Bairro Maracanã. Porém, no material informativo de alguns candidatos constavam que a rua se chamava 1A.
A engenheira civil Naiara Graciele Dias informou que irá entrar na Justiça para pedir a anulação do concurso. "Vamos entrar com ação no Ministério Público da União (MPU) pedindo que o concurso seja investigado e a prova anulada pelos danos causados aos candidatos", afirmou.

Procurada pelo G1, a assessoria de imprensa do Ministério Público Federal em Goiás (MPF/GO) disse que até o momento nenhum candidato ofereceu denúncia ao órgão em relação ao concurso.
A Funrio informou ao G1 que está aguardando um relatório sobre os problemas com o concurso, feito pela coordenaria de concursos do órgão, para então se pronunciar oficialmente.
Já a assessoria de imprensa do INSS disse ao G1 que já solicitou um documento sobre os problemas que ocorreram no concurso. Segundo o instituto, a organizadora do concurso irá entregar este relatório até terça-feira (15).

Mais problemas

Anápolis não foi a única cidade brasileira a registrar problemas no concurso do INSS. Em Juazeiro do Norte, no sul do Ceará, houve um erro semelhante. Candidatos da área de fisioterapia deixaram de fazer o exame porque não havia provas suficientes. Por causa disso, o coordenador de projetos da Funrio, Marco Aurélio, afirmou ao G1 que a prova de fisioterapia estava cancelada e que outra data seria definida nesta segunda-feira (14).
O envelope continha apenas seis provas para um total de 60 candidatos que prestariam o exame em uma das salas de uma escolar particular da cidade. Segundo o candidato Phyllyp Borges, no momento de começar o teste, a fiscal mostrou o envelope lacrado e, ao abrir, descobriu que faltavam 54 provas.
O coordenador de aplicação de provas foi chamado ao local e conseguiu mais 17 provas em outras salas, no entanto, o número ainda era insuficiente. Então, tirou cópias em uma máquina de xerox. Ao voltar à sala, conversou por telefone com a Funrio e comunicou que os testes não iriam ser aplicados.

 

Fonte: G1