Brasil admite desempenho ruim e elege saque como grande vilão

0
1797
A derrota da seleção brasileira masculina de vôlei para os Estados Unidos por 3 sets a 0 logo em sua estréia na Copa do Mundo disputada neste domingo foi recebida com surpresa no Japão. Entretanto, o time comandado pelo técnico Bernardinho evitou desculpas e admitiu uma má performance diante dos norte-americanos.

 

Para o treinador brasileiro, faltou atenção a sua equipe, sobretudo nas etapas iniciais da partida. "Nos dois primeiros sets, tínhamos a vantagem e a vitória nas mãos, mas não soubemos fechar", atestou Bernardinho. De fato, a seleção brasileira chegou a abrir uma vantagem de seis pontos no primeiro set, mas levou a virada.

O técnico observou falhas sobretudo nos ataques e nos saques brasileiros. "O Brasil começou bem, mas sentiu uma certa falta de confiança e os erros no saque mostraram isso. As falhas no ataque se sucederam. Tivemos uma dezena delas, contra 2 ou 3 dos Estados Unidos".

O capitão Giba apontou os mesmos vilões para a derrota deste domingo. "Nos dois primeiros sets, perdemos nos detalhes. E isso é complicado diante de um time que não erra muito, como o dos Estados Unidos. Eu mesmo não costumo errar tantos ataques, mas desta vez falhei bastante e confesso que fiz uma péssima partida", afirmou o ponteiro que, mesmo com inúmeras falhas, ainda foi o principal pontuador do Brasil com 14 pontos. "Eles estiveram muito bem na defesa e no bloqueio. Além disso, não soubemos agüentar a pressão do saque adversário".

O meio-de-rede Gustavo repetiu o discurso quanto aos erros de ataque, mas tirou a responsabilidade dos levantadores Marcelinho e Bruno. "A distribuição de bolas foi boa. O problema é que não conseguimos impor o nosso ritmo e quebrar o passe deles. Nosso saque foi ruim", admitiu o atacante. "Cometemos erros cruciais. É uma derrota dura e que ficará marcada, mas cada um terá de refletir para ver onde errou".

O técnico dos Estados Unidos, Hugh McCutcheon, comemorou a vitória de sua equipe, mas preferiu evitar uma festa excessiva. "Enfrentar o Brasil é sempre um grande desafio. Estamos felizes pela vitória, mas ainda tempos muitos jogos pela frente", afirmou o treinador. "O tempo é curto para comemorar esse resultado. O foco agora tem que ser no próximo jogo, contra Porto Rico. O objetivo na competição é a classificação para Pequim e não apenas em uma vitória".